maio 04

PAULA: Depois é como andar de bicicleta…

 

Quero fazer um depoimento às minhas amigas e dizer que seu livro foi meu companheiro de cabeceira neste final de semana, como foi bom isso!!! Cada página que eu virava, era uma lembrança de momentos vividos, muito de angústia, afinal aos 41 anos a gente já tem uma boa bagagem.

Na semana passada te contei minha estória com o jumento (39 anos). Um toco dado porque o ser não parecia saber o que queria e mais se preocupava em responder zap da mulherada (do Tinder) e de ex (?) peguetes do que dar atenção a mim. De resto até era bom, comparecia, não dava balão, tinha boa química, me levava para bons restaurantes, viagens, mas que mulher quer ter ao seu lado um homem que “não a enxerga”, só na cama? Sorry, eu não aguento não, até porque bons restaurantes e viagens eu mesma proporciono pra mim. Melhor sozinha do que mal acompanhada…

Só que quando gostamos não é fácil. É preciso internalizar o “toco” e eu quando dei, foi meio no impulso devido a algumas ogrices que o ser cometeu no dia. Daí, o toco virou “vamos ser amigos”, a tal linha tênue e perigosa que você cita no seu livro. Bem que você me avisou que não ia dar certo…

No último sábado fui comprar ração pras minhas dogs pertinho da casa dele. Como tínhamos ficado amigos e (não vou me enganar) no fundo eu queria ver como ele estava lidando com o rompimento, já que nas 3 semanas anteriores estivemos 3 a 4 dias/semana juntos. Besta eu, liguei pra ele… Afffe. O jumento mor resolveu me dar aquela esnobada!!! Disse que não podia porque ia sair cedo por causa de um encontro com uma pessoa que tinha aparecido. Baita atitude infantil!!!! Já seria ridículo isso num cara do ciclo 1, imagina em um indo para o ciclo 3!!! Eu simplesmente disse, foi rápido hein?, e ele respondeu “A vida segue”. Bom, depois dessa, segue mesmo, eu bem longe desse barco. Um cara assim está dizendo com todas as letras “Não tô aí pra você, pro que passamos, tô rindo da sua cara. Deu toco, agora aguenta!”. Então eu disse, fica tranquilo meu filho, que não te procuro pra nada mais não… A anta ainda responde “Que bom. Beijos”. Minha vontade era mandar ele beijar sabão, pra não dizer outra coisa.

Então o que fazer com uma anta que evidentemente tá querendo te pisar? TOCO! Mas gente, toco é toco, é excluir do Facebook, do Whatsapp, do telefone, é cortar o mal pela raiz… SUMIR! (tenho visto muitas leitoras dizendo que deram toco, não falam mais, mas ficam no zap, no Face esperando o cara curtir suas fotos. Assim não adianta!) É olhar pra si e pensar, é esse tipo de pessoa que quero na minha vida? Um infantilóide? Como diz minha mãe, vai se preocupar com esse lixo? Porque lixo o mercado tá cheio e nem precisa fazer esforço pra procurar…

Nessa estória toda aprendi que temos mesmo que observar as pequenas atitudes do cara e cair fora logo quando algo nos desagrada DEMAIS e afeta nossa auto estima. Acho que esse tipo de coisa só tende a piorar com o tempo e se não corrigida em 2 ou 3 semanas, só tendem a piorar. No fim sua auto estima estará no lixo…

Não espero que ele volte, pra dizer a verdade nem quero, porque tomei nojo dele. Sou uma mulher bonita, independente e não quero perder meu tempo com um cara que age como criança pirracenta aos 39 anos. Mas como diz o Eugênio, a maioria dos que tem “a Síndrome de Sultão” vão acabar te procurando, seja pra manter o harém, seja pra tirar a dúvida do “por que ela tão apaixonada sumiu?”. É fogo, mas é assim!!!

 


 

Nota do Eugenio:

Minha gente…. Quando vocês conseguem entender aquelas 3 ou 4 coisas fundamentais que eu digo por aqui, reconquistam a própria autoestima e redescobrem o PODER DO “NÃO!”, hahahaha… Pobres dos coitados dos perde-tempo que aparecerem pela frente… E é aí que vocês conquistam o TEMPO tão precioso pra poder encontrar alguém bacana mesmo. Porque isso só acontece quando vocês descartam logo aquilo que não presta…

Maravilha Paula!!!!