maio 29

Tags

Pimentinha vai casar!

 

 

Não é raro para mim encontrar comentários por aqui, ou ouvir de pessoas que encontro por aí, que já leram o livro ou alguns dos meus textos, que imaginam que eu acredite piamente na bobagem do “homem nenhum presta”. Isso sem contar as que me acusam de querer destruir o sonho romântico das pessoas, ou que eu esteja querendo colocar a dura prova a heterossexualidade delas!!! Se você está entre essas incautas que acham que todo homem é canalha, cafajeste, incorrigível, perde tempo e, pior de tudo, achou lendo o que eu escrevo que eu ache que todos eles são realmente “jumentos”, sem entender a ironia da metáfora, aqui vai mais uma historinha daquelas para fazer todo mundo refletir. É meio longa mas como aqui vocês adoram detalhes, lá vai!

 

Pimentinha é uma daquelas leitoras dos primórdios desse Blog, quando éramos poucos e todas sabiam as histórias de cada uma só de olhar pro “nick”. Chegou aqui através do Google durante a longa descida no vale de lágrimas que acompanha toda mulher perdidamente apaixonada. Aqui começamos a conversar sobre tudo o que tinha ocorrido no seu namoro que tinha sido interrompido, sobre o comportamento dele, sobre as reações dela, sobre as atitudes dos homens em geral. Aquela catarse de flashbacks e insights que vocês estão acostumadas a ler por aqui: um caminho tortuoso, mas fundamental para reconstrução da vida de qualquer uma.

 

O namoro entre Pimentinha e M. tinha durado 10 meses, mas foi uma daquelas histórias que dividem a sua vida em duas metades, sabe como é? Daquelas que você nem lembra mais de como ou quem você era antes de conhecido aquela pessoa. E foi assim PROS DOIS!!! Só que M., ah, M. é homem e estava no meio do ciclo 2… (Ciclo 2: dos 30 anos 40 anos). E Pimentinha (apelido carinhoso e perfeitamente definidor que ele deu pra ela!!!), também não era fácil não… Durona e arrojada que só ela! Absolutamente visceral nos seus sentimentos. E isso, para um cara mega racional como M., era ao mesmo tempo encantador e fascinante por um lado, mas assustador e desconcertante por outro. Formou-se o clássico impasse onde o amor é imenso, porém a capacidade de gestão do mesmo, de ambas as partes, é precária. E nessas horas, você já sabe o que acontece né? M. saiu-se com o bom e velho “o problema sou eu” ou algo parecido…

 

 

….

….

 

 

 

 

Nota do autor: Pimentinha é a Luh do post Luh: E a essência do TOCO!!!!!

 

————————————————————————————————————————

Texto extraído do livro DESVENDANDO OS HOMENS 2: O FIM DA SAGA

Copyright © 2016-2017  by Eugenio Campello Costa

Proibida a venda e reprodução parcial ou total sem autorização

 

 

VISITE A PÁGINA DO DESVENDANDO NO FACEBOOK: Desvendando no FB